Criado à Sua Imagem 

VOLUME II

Sumário


A Totalidade para a Alteridade, o Infinito na Vida do Homem  [David Pereira Martins]

A presença do Infinito no Homem, é logo evidenciada por Emmanuel Levinas no título da obra «De Deus que vem à ideia»; Deus, absoluto Infinito, vem, manifesta-se, desce à ideia do Homem, libertando-o da imanência implicando-o num mundo de relações onde o Rosto é mandamento que chama à existência, Esse Infinito lança-nos na transcendência do Amor, onde somos e deixamos ser. Que Infinito este? Qual a verdadeira alteridade?


O Homem, mediador entre o Céu e a Terra: Influência de Tales de Mileto no pensamento ontológico  [Diogo Miguel Machado]
A temática da ontologia tem acompanhado desde sempre, directa ou indirectamente, o espírito humano na sua perscrutação acerca dos mistérios do mundo que o rodeia. Ele mesmo, por habitar entre o céu e a terra, é confrontado com essa posição de mediador. Mas quais são exactamente os polos da mediação, se falamos de essência? O que faz do Homem, usando Tales de Mileto como paradigma do filósofo, mediador entre o céu e a terra?


A credibilidade do cristianismo em S. Tomás de Aquino: a proposta e a crítica de Hans Urs von Balthasar [Ricardo Filipe Figueiredo]
A presente investigação tem em vista três objectivos: a exposição e sistematização dos sinais de credibilidade do cristianismo segundo S. Tomás de Aquino; a compreensão que Hans Urs von Balthasar tem da noção de credibilidade do cristianismo em S. Tomás de Aquino na obra Só o amor é digno de fé; realizar o exame crítico da posição defendida por Von Balthasar.


A vinculação à Igreja: Uma prespectiva de Otto Semmelroth [José André Ferreira]
Artigo dividido em três partes. Na primeira parte, aborda-se a compreensão da Igreja como Corpo Místico de Cristo, a partir da Encíclica de Pio XII Mystici Corporis Christi. Na segunda parte, dá-se conta da Igreja como sacramento a partir da leitura do autor Otto Semmelroth, elaborando-se ao mesmo tempo uma brevíssima historiografia desta noção ao longo da história da teologia. A última parte analisa a Igreja enquanto sacramento de salvação, dando conta do que esta noção significa, assim como do peso da mesma para o magistério mais recente.


Oseias - o profeta da misericórdia de Yahwé -[Teresa Correia de Pinho]
Sob o domínio da Assíria (séc.VIII a.C.), Israel cede à corrupção política, mas também à idolatria, pelo culto que presta a Baal. Na linha de Amós e de outros profetas, Oseias denuncia a corrupção e a idolatria, que terá as suas consequências. Israel é comparado com uma esposa adúltera dada à prostituição, que violou e quebrou a Aliança com Deus. Neste contexto, o segundo capítulo do livro de Oseias defende que Deus, apesar da infidelidade do povo, mantém o seu amor, e compreende as razões desta infidelidade, usando de misericórdia para com ele. Assim, os oráculos deste profeta não visam a destruição de Israel, mas a sua salvação.


Da emergência da questão escatológica ao projecto escatológico de J. Moltmann [Luís de Oliveira Marques]
Qual é a importância do tratado da escatologia no conjunto da teologia? Que tem ele a ver com o cristão hoje e que consequências tem para a sua vida? Das múltiplas tentativas de resposta dadas a esta pergunta, este artigo analisa, num primeiro ponto, a emergência da questão escatológica, que teve lugar no início do século XIX, em campo protestante, e como reacção à teologia liberal que moralizou a mensagem de Jesus sobre o Reino de Deus, para, posteriormente dar conta dos ulteriores desenvolvimentos em torno desta temática. Num segundo momento abordarmos de modo mais aprofundado o contributo de J. Moltmann exposto na sua mais recente obra dedicada à temática - A Vinda de Deus - que oferece uma escatologia integrante e integral; terminaremos com um diálogo crítico em torno da escatologia de J. Moltmann.