No Príncipio

VOLUME I

Sumário

Manifesto da Revista [Paulo Alves]


O eixo geográfico da obra lucana (Lc-Act) [Francisco Simas Simões]

A obra lucana (Lc-Act) conduz o leitor através de um eixo geográfico. O evangelho começa e acaba na cidade de Jerusalém, sendo este o pólo fundamental do terceiro evangelho. Olhando, porém, para a totalidade da obra, podemos verificar que há uma longa viagem que embarca em Jerusalém e chega a Roma. Trata-se não só de uma viagem geográfica, mas também teológica. Faz-se através destas premissas geográficas uma construção teológica ligada quer ao judaísmo, quer ao paganismo.


A questão de Deus em Descartes [Paolo Lagatta]

O que nos propomos neste pequeno trabalho, antes dum estudo pormenorizado das provas da existência de Deus em Descartes, será tentar compreender em que medida a afirmação do Eu pensante pressupõe a ideia de Deus, sendo este o princípio que, a partir da relação subjectividade humana-alteridade de Deus, nos permite redescobrir o lugar de deus na metafísica da Idade Moderna. 


Daniel Marguerat: a unidade narrativo-teológica da obra lucana [Luis Oliveira Marques]

Neste artigo pretendemos apresentar a perspectiva de Daniel Marguerat, fundamentada na exegese narrativa, sobre a unidade narrativo-teológica de Lucas-Atos. Com efeito, o presente artigo desenvolve-se em três momentos: 1. Princípios hermenêuticos da narratologia; 2. A coerência narrativa da obra lucana (Lucas-Actos): a visão sobre o tema da Lei, como princíopio identificativo, na sua tensão entre continuidade histórica e ruptura soteriológica; 3. A obra lucana: um díptico. 


Acerca do silêncio nos profetas [Dora Romano Ventura Guimarães]

Na profecia há um diálogo entre Deus e o homem em contínio acto de espera e de escuta. Mas nem sempre o diálogo é sonoro. Muitas vezes neste diálogo Deus faz silêncio. O diálogo nem sempre é claro, não se percebe logo, muitas vezes é mistério. Este trabalho será, então, a tentativa de indagar a que corresponde o silêncio nos profetas, como se enuncia este mistério em que se vêem envolvidos. 


O conceito de criação no livro XII das Confissões de Santo Agostinho [Nuno Paulo Isidoro Pacheco, scj]

O presente trabalho não é mais que um modesto estudo sobre o conceito de criação nas Confissões de Santo Agostinho, sobretudo conforme nos é apresentado pelo autor no Livro XII, lugar da obra onde este Padre da Igreja dedica maior espaço à reflexão sobre este conceito, e abordá-o sob o ponto de vista filosófico-teológico.


Experiência transcendental na obra Grundkurs des Glaubens [Paulo Alexandre Alves]

Este trabalho procura apresentar a temática da experiência transcendental como fio condutor da obra Grundkurs des Glaubens. Para tal, iremos dividi-lo em três pontos. Em primeiro lugar iremos proceder a uma sucinta contextualização histórica da obra na vida e percurso teológico do autor, procurando perceber o porquê do seu surgimento. Num segundo momento procuraremos apresentar algumas linhas condutoras que atravessam toda a obra e nos facilitam a leitura do seu conteúdo. Finalmente, dissertamos acerca do modo como a experiência transcendental se articula com as temáticas apresentadas no livro em análise.